GTranslate

Portuguese English French German Italian Russian Spanish

http://www.ms2comunicacao.com.br/components/com_gk2_photoslide/images/thumbm/572705Banners_internos_1.gif http://www.ms2comunicacao.com.br/components/com_gk2_photoslide/images/thumbm/237473Banners_internos_2.gif

Programa em parceria com a Renova e o Instituto Miguel Dario proporciona Trabalho e Dignidade

Projeto promove a reintegração de apenados na sociedade

Este projeto é parte integrante do Programa de Ação Conjunta (PAC) da Renova em parceria com a Superintendência de Serviços Penitenciários do Estado do Rio Grande do Sul (SUSEPE) e o Instituto Penal Irmão Miguel Dario. O projeto tem como objetivo dar a possibilidade de trabalho e renda a apenados em regime semi-aberto, promovendo sua reintegração à sociedade.

"O projeto é uma oportunidade de valorização dessas pessoas, pois acreditamos que com oportunidades todos podem mostrar seu conhecimento", definiu o presidente da Renova, Joarez Venço.

Depois de cumprida a pena, a Renova é a única empresa que dá a oportunidade de o apenado continuar trabalhando. Por meio do desempenho de suas tarefas - contando, principalmente, com o comportamento disciplinar - , os apenados são preparados e selecionados para o trabalho externo dentro da unidade da Renova. Neste ano de trabalho no Miguel Dario, 60 presos estão no programa, sendo que 10% já foram contratados efetivamente pela empresa.

"Isto é muito importante, pois os apenados saem do presídio estigmatizados e não conseguem novos empregos, o que contribui para a reincidência. Temos tido ótimos exemplos na Renova, inclusive casos de promoção dentro da empresa", destacou Venço.

"Na unidade da Renova hoje, contamos com 19 apenados, além de sete que já estão em liberdade e hoje são nossos colaboradores. Entendemos que hoje eles estão totalmente integrados com o corpo funcional da empresa, e, comparando com o ano anterior, foi possível aumentar este número em 90%. O nosso desafio de quebrar paradigmas tem a cada dia sido uma experiência que vai além da ressocialização", analisou Venço.

O trabalho do indivíduo que se encontra submetido ao sistema prisional também não deve ser visto como simples forma de extração de mão-de-obra barata, nas palavras de Venço. "A Renova vê como um meio de alcance da dignidade e cidadania, e ainda mais, condição fundamental para sua reinserção social", destacou. "Eles possuem a nítida percepção da rejeição da sociedade em relação a sua condição atual precisam voltar a uma vida que se ajuste à Lei e ter uma segunda oportunidade de adequarem-se aos valores sociais."

O programa se desenvolve em três etapas:

Etapa 1: Realização de trabalho interno em uma célula instalada dentro do Instituto Penal. Por meio do desempenho de suas tarefas, os apenados são encaminhados para o trabalho externo na Renova após permissão judicial;

Etapa 2: Após entrevista e teste prático na área produtiva, os apenados passam a executar tarefas no interior das instalações da Renova e receber benefícios como os demais funcionários da empresa: cesta básica, refeição, transporte e plano de saúde;

Etapa 3: Ao ser concedida a liberdade condicional ou após o cumprimento definitivo de sua pena, os ex-apenados serão avaliados por parte dos gestores da Renova e poderão ser contratados como funcionários, integrando-os no plano de carreira interno.